Quando recebemos o convite da Editora Seguinte para lermos a prova desse livro, quase morri, seriamente. Já conhecia o livro pela capa maravilhosa do original e quando vi que a seguinte lançaria, com uma capa ainda mais linda, a ansiedade não me deixou sossegar por um minuto sequer.

O beijo traiçoeiro nos traz a história de Sage que, com seu comportamento rebelde, não gosta nada da notícia de que está na idade para casar. Não querendo esse enlace matrimonial na vida dela, Sage faz tudo de errado e contra regras quando tem que conhecer a casamenteira Darnessa, que é a responsável por indicar às meninas quem seria seu companheiro ideal. Darnessa soube instantaneamente que ela não era exatamente uma menina feita para casar, mas também percebeu que Sage tem um dom muito forte de analisar as pessoas. Assim, ela faz a Sage uma proposta inesperada: chama a menina para ser aprendiz de casamenteira.

Sage terá então acompanhar a comitiva de jovens mulheres que estão a caminho de Concordium, um evento que acontece na capital do reino em que as grandes famílias firmam uniões. E parte de sua tarefa é analisar as damas e seus pretendentes e descobrir o máximo possível sobre eles para que Darnessa possa formar bons pares. Ela tem que analisar até mesmo os oficiais que estão encarregados de proteger o grupo, porque alguns possuem famílias ricas e tradicionais e se tornam bons pretendentes.

Só que, ao longo do caminho para Concordium, os oficias percebem que há algo errado e que há um perigo iminente nas redondezas, e acabam recrutando Sage para espionar e conseguir informações. Logo a missão se enche de intrigas, conspirações, identidades secretas e perigos.

Já imaginou?

O livro possui uma trama recheada de aventura, espionagem e representatividade feminina. Nossa protagonista é uma jovem corajosa, com o sonho de ser independente e que tem força de vontade para tal. Ela ama aprender até mesmo o que era considerado “apenas para meninos” e, por isso, sempre que podia, Sage lia sobre os mais diversos temas, transformando-a em uma pessoa pela qual torcemos EM CADA PÁGINA DESSE LIVRO.

Claro que o livro tem também sua parte no quesito romance. Não dá pra colocar uma protagonista avessa ao casamento e, ainda assim, aprendiz de casamenteira sem envolver um romance na trama, né? E como a sua narrativa traz elementos medievais, é como se estivéssemos imersos em uma grande história histórica, com heroínas espertas e poderosas, vilões, cavaleiros do cavalo branco… Com uma boa dose de mistério.

Erin Beaty fez uma mistura com os ingredientes exatos para uma leitura envolvente, conseguindo trabalhar muito bem os pontos fortes da história e criar personagens maravilhosos. Muito indicado para quem gosta de A Seleção e histórias de espionagem, O beijo traiçoeiro é o primeiro da trilogia. O segundo volume está para sair no ano que vem nos Estados Unidos e já tem nome: The Traitor’s Ruin.