Se você ainda não leu A fúria e a aurora, pare por aqui para não pegar spoilers!

No início desse livro temos Sherazade e Khalid seguindo caminhos separados por conta da maldição que ele carrega para poder salvar seu povo. Sherazade está muito mais obstinada do que no primeiro volume. Ela quer aprender a controlar a magia que carrega em si para ajudar a quebrar a maldição de seu amor, assim como para livrar seu povo das garras dessa mesma maldição. Para melhorar, Sherazade ainda precisa ajudar seu pai a lidar com as forças míticas com as quais ele se meteu e não sabe controlar. Khalid por sua vez tenta ajudar de toda maneira seu povo a reerguer seu reino. Por nunca ter tentado quebrar a maldição que o assola, Khalid reluta em acreditar que sua esposa irá quebrá-la. Nesse livro podemos ver como a maldição altera toda a sua vida, interrompendo até mesmo a sua capacidade de dormir. E é o amor que Sherazade sente por ele que a guia e que lhe da coragem para aprender o que precisa e confrontar o que aparecer em seu caminho.

 
E, se você acha que a história já está maravilhosa o suficiente, acredite: ela melhora. Nesse livro conhecemos melhor a Tariq, irmã de Sherazade, assim como outras personagens que, no primeiro volume, tinham aparecido por pouco tempo. Nessa história, eles tem voz e, a cada trajetória que conhecemos, nos apaixonamos ainda mais pelo livro.
Conseguimos ter mais de tudo nesse livro, o que é uma grata surpresa, já que algumas continuações perdem o tom da narrativa. Aqui temos mais aventura, mais amor e mais relacionamentos. É uma história fantástica, leitura obrigatória para quem leu o primeiro volume.