Não sei vocês, mas eu tenho percebido uma onda de otimismo rolando por aí. É como se todo mundo precisasse estar feliz o tempo todo, como se tudo fosse alegria, cores e amor. Como se, se você não é 100% feliz com o que faz, estuda ou é, você não está vivendo direito. A força boa do lado obscuro vem para mostrar que o grande segredo para uma vida realmente plena é saber aproveitar todos os momentos, inclusive os ruins. Esses momentos dos quais não nos orgulhamos tanto tem um papel essencial na nossa vida: eles nos ensinam. E é por isso que é preciso ver o lado bom das coisas ruins, ou a força boa do lado obscuro, como diz o título do livro.

Todd Kashdan e Robert Biswas-Diener, os autores, levantaram uma série de pesquisas e estudam que mostram que, ao contrário do que a maior parte das pessoas pensam, reprimir sentimentos negativos não é uma boa solução para uma vida de fato feliz. Sentimentos considerados ruins como a raiva, a tristeza ou a negatividade tem a sua quota de importância nas nossas vidas. Eles são formas de elaborarmos outros aspectos da nossa vida. A raiva, por exemplo, estimula a nossa criatividade. A culpa estimula a nossa motivação. E por aí vai.

Conforme vamos lendo o livro, percebemos que esses sentimentos considerados menos louváveis são, na verdade, fontes de poder e que eles nos fazem tão bem quanto os sentimentos positivos. O livro tem como referência nada mais que artigos de todo canto do mundo, e tem uma narrativa de fácil entendimento. Uma leitura indispensável para a nossa geração, que sofre uma pressão tão grande pela perfeição o tempo todo.