rebelde-do-deserto (4.1)

“— Eu não zombaria de alguém que está prestes a apontar uma arma para sua cabeça.”

Inspirado pela mitologia árabe, A rebelde do deserto traz Amani, uma menina que está louca para fugir de sua casa. Orfã, morando com seus tios e muitas primas, Amani não vê muito futuro pela frente além de ser mais uma somada ao Harém do tio. Sua única chance seria fugir para uma cidade da qual sua mãe sempre falava antes de morrer.

Seguindo o estereótipo da sociedade árabe, seu mundo é altamente patriarcal, e a poligamia é muito comum. O tio de Amani tem muitas esposas, e todos vivem juntos com seus filhos. E, logo, fará dela sua esposa também. Logo, tendo grande habilidade com armas, Amani participa, escondida, de um torneio de tiro para ganhar uma grande quantia de dinheiro como prêmio. Com uma ajudinha de um estrangeiro bonito, Amani escapa da Vila da Poeira. Mas, ela não esperava a aventura selvagem que se segue, envolta em rebelião, revolução e magia como ela nunca viu antes.

A história não se passa na Vila da Poeira por muito tempo, e Amani viaja por muitos lugares. Este livro tem uma duração de pelo menos dois meses. Amani é uma jovem com todos os ingredientes certos: irônica, esquentadinha, guerreira, difícil, mal-humorada e corajosa. Já Jin, o estrangeiro mencionado antes, é cheio de segredos e só descobrimos quem ele realmente é, e seus objetivos, na segunda parte do livro.

“— Você é uma ótima mentirosa. Para alguém que não mente.”

 Muitos personagens secundários, mas importantes, aparecem na segunda metade do livro. A autora fez um excelente desenvolvimento desse personagens secundários – e como eram maravilhosos! Shazad é uma mulher forte, de uma maneira diferente. Hala também. Bahi é um docinho e os gêmeos também.

A construção do mundo desse livro é incrível! Nunca tinha lido um livro de fantasia que se passasse em um deserto, e me apaixonei primeiramente por esse fato. Daí adicione armas, trens e seres mágicos, tem coisa melhor? Adorei como a autora fez uma criação super original e quase moderna.

A Rebelde do Deserto é o primeiro de uma trilogia, então a autora não se aprofunda nas partes mais pesadas da fantasia. Somos apresentados a conflitos políticos e alguns movimentos importantes, mas apesar de tudo isso, esta história manteve-se divertido e aventureiro deixando uma grande expectativa para os próximos acontecimentos. Quando a história terminou, eu não estava pronta para deixar Amani e Jin e estou ansiosa para ver onde a próxima viagem os levará.