a-procura-de-audrey-sophie-kinsella (4)
À Procura de Audrey nos apresenta Audrey, uma adolescente de 14 anos que sofre de transtornos de ansiedade e de episódios de depressão desde que, há alguns meses, sofreu uma situação traumática na escola. Ela acabou vivendo um tempo no hospital e, agora que voltou pra casa, ela só fica dentro de casa. Por ter perdido muitas aulas, ela vai ter que repetir o ano letivo e, por ser o melhor para sua recuperação, quando o semestre letivo reiniciar, ela vai para uma escola nova.

Enquanto a menina está se recuperando em casa, ela também frequenta a terapia. Seu contato com qualquer pessoa fora da família ou da terapia é nulo – ela tem ansiedade social -, e mesmo com esses ela só consegue conversar usando óculos de sol. E, parte da recuperação dela proposta pela terapeuta é entrar em contato com alguém de fora. Essa é só uma das coisas que Audrey vai precisar superar nesse livro super divertido.

Kinsella consegue transformar uma narrativa que tinha tudo para ser dramática – uma adolescente com problemas de ansiedade e depressão protagoniza essa história, no fim das contas – em uma história divertida e leve. Mas, mesmo sendo leve, À Procura de Audrey aborda de forma realística e e nada desrespeitosa essa situação – que é mais comum do que imaginamos.

a-procura-de-audrey-sophie-kinsella (2) a-procura-de-audrey-sophie-kinsella (1) a-procura-de-audrey-sophie-kinsella (9)

Os momentos engraçados do livro são muitos, não só porque as situações são cômicas em si, mas porque Audrey é uma personagem divertida, que narra tudo de um jeito cativante demais para não nos arrancar boas gargalhadas. Sem contar que a própria família da menina já é o suficiente para te fazer rir o livro inteiro, com o caos e a união maluca que eles formam. E é isso que torna essa história tão rica: mesmo lidando com uma história tão pesada, Kinsella sobre equilibrar os elementos para que tivéssemos uma história genuinamente divertida mas que, ainda assim, não tira a seriedade dos assuntos tratados.

A personagem, mesmo que muito divertida e ciente dos próprios problemas, mostra suas dificuldades em lutar contra seus transtornos, mas vê-la dando pequenos passos na direção da melhora é uma jornada deliciosa de se acompanhar. Existem outros personagens que valem muito a pena serem citados e apreciados, como a terapeuta de Audrey e Linus, o melhor amigo de seu irmão.

Essa se tornou minha leitura preferida da Kinsella. Aprecio – e muito – livros que saibam me fazer feliz, mas que tenham conteúdo também. A temática é importante, a narrativa é cativante e, no fim das contas, você acaba o livro já sentindo saudades dos personagens.