Mentirosos E Lockhart (2)
Candence é uma Sinclair, o que significa que o prestígio é intrínseco a quem ela é, e suas atitudes devem seguir a mesma linha. Mas, principalmente, significa que, se ela fizer alguma coisa não tão prestigiosa, os rastros serão apagados e ninguém de fora da família vai ficar sabendo. É isso que acontece quando se nasce em berço de ouro.

Todos os anos, desde a infância, Candence passa seu verão na ilha particular da família. Lá ela se encontra com seus primos Mirren e Johnny e com o amigo Gat, e eles passam o verão inteiro juntos aproveitando aquele espaço que fica distante de tudo. Desde pequenos, eles são chamados de Mentirosos pela família, por serem muito unidos e defenderem um ao outro. Os nove meses do ano servem para que eles esperem com ansiedade pelos verões, que eles dão nome pelo ano da idade que eles tem. Só que, no verão dos 15, as coisas mudam.

Mentirosos E Lockhart (10)

Candence sofre um acidente nesse verão, e fica com amnésia e dores de cabeça muito, muito fortes. Ela não se lembra de nada do que aconteceu, e nem mesmo os mais fortes remédios fazem com que suas dores parem. Só que, pior do que isso, é o fato de ninguém de sua família aceitar falar com ela sobre o acidente. Dois anos depois, ela decide que é a hora de retornar à ilha e descobrir o que aconteceu.

Pra começo de conversa, preciso avisar que esse é, sem dúvida, meu livro preferido do ano. Não me lembro de ler uma história tão bem desenvolvida quanto Mentirosos há muito tempo. A história é complexa e profunda, mas ao mesmo tempo é tão sutil que te faz, ao mesmo tempo, amar a história e se sentir em conflito sobre o que sentir em seguida.

Mentirosos E Lockhart (8)

Para começar, os Sinclair são o perfeito retrato das famílias gananciosas e ricas que nós sabemos que existe por aí. Todos tem que parecer perfeitos, independente de qual seja a realidade. Os mais novos são os que mais sentem isso: eles são obrigados a agir como se fossem pessoas normais – uma das coisas que se repete no livro, essa necessidade obrigada de parecer perfeitamente bem – mesmo quando eles estão sofrendo ou abatidos.

Mentirosos E Lockhart (1)

E Candence se vê no meio do problema por ser a neta mais velha e, assim, a herdeira. Ela tem que manter a compostura que foi criada para ter durante toda a sua vida, mas tem uma lacuna que ela não consegue preencher – e que ninguém está disposto a preencher por ela. Ela pertence a família, mas não consegue se sentir um membro – pinta os cabelos para não parecer com eles, e sua condição depois do acidente a impede de ser perfeita todo o tempo.

“Tinha saído de uma casa cheia de lágrimas e falsidade e ido para a ilha.
E eu vi Gat,
e vi aquela rosa na mão dele,
e, naquele momento, com a luz do sol entrando pela janela e brilhando sobre ele,
as maçãs sobre a bancada da cozinha,
o cheiro de madeira e mareia no ar,
eu rotulei de amor.
Era amor, e me atingiu com tanta força que me inclinei junto à porta de tela ainda entre nós para me manter de pé. Queria tocar nele como se fosse um coelhinho, um gatinho, algo tão especial e macio que seria difícil manter os dedos longe.”

Voltar à ilha é mais uma das coisas que ela não tem apoio de todos. E, assim que coloca os pés no lugar que ela conhecera a vida inteira, ela percebe que muita coisa mudou, mas não consegue identificar isso de cara. Aos poucos, percebendo as mudanças ao seu redor, Candence vai percebendo também que as memórias que tinha não eram exatamente como ela lembrava.

Mentirosos E Lockhart (4)

A história não é sobre uma temporada feliz de verão. Em grande parte, a experiência que tive era de que tinha muito mais coisa acontecendo do que aparecia, mas a sensação de não saber era a única que conseguía ter. Assim como Candence, precisamos esperar que as peças se conectem para termos um quebra-cabeça completo do que aconteceu no verão dos 15, e só então conseguimos entender porque a maior parte das coisas desde o acidente parecia tão diferente.

A vida parece bela nesse dia. Nós quatro, os Mentirosos, sempre fomos. Sempre seremos(…). Essa ilha é nossa. Aqui, de certo modo, somos jovens para sempre.

É um livro extremamente inteligente. Lockhart conduziu a história de uma forma sinuosa e cheia de mistérios que, aos poucos, iam se revelando aos nossos olhos. E, quando finalmente descobrimos a verdade sobre o que aconteceu naquele verão, a sensação é de desespero e de compreensão. E aí você volta os capítulos para reler certas cenas e perceber que, na verdade, todos os indícios estavam bem ali, na sua frente. E não tem como terminar o livro com a sensação de que, em meio a tantas histórias, você encontrou uma que é incrivelmente bem escrita e que não vai esquecer tão cedo.