Questão de Tempo é o filme mais amor da minha vida. Pense em ruivos, chás, muitos casacos e cenários lindos. Além de uma história que te faz repensar cada ação sua e te faz suspirar repetidas vezes. Fórmula perfeita, não?


Na história temos Tim, esse ruivo fofo das fotos. Quando ele faz 21 e um anos, seu pai lhe conta um segredo há muito guardado: ele pertence à uma longa linhagem de viajantes do tempo. Eu sei, parece idiota, mas acredite em mim: nesse filme faz todo o sentido. Ele pode voltar à qualquer época do passado, basta entrar em um lugar bem escuro e mentalizar. Só que, obviamente, ele não acredita muito nisso a princípio. Só que, quando percebe que seu pai não está mentindo, ele fica bem empolgado com seu recém-descoberto dom. E sua primeira ideia é voltar ao passado para mudar as coisas e arrumar uma namorada. Só que ele percebe que, quando muda o passado, o futuro sofre alterações também.


Assim, ele começa a perceber que seu dom deve ser usado com muita cautela. A vida continua e ele conhece Mary. E Mary é exatamente o tipo de pessoa por quem ele procurou a vida toda. E, com todos os infortúnios que acontecem à uma pessoa desastrada, ele acaba se desencontrando de Mary. E aí volta no tempo para tentar reencontrá-la. E volta de novo. Até que, finalmente, eles conseguem manter contato.


E aí, finalmente, ele começa a história de amor que sempre quis. De vez em quando ele volta ao passado para transformar um momenjto bom em um momento perfeito. E continua sua vida, ao lado de Mary. Conseguimos acompanhar a vida dele por muitos anos. Do Tim que só queria uma namorada, quando ainda morava no interior da Inglaterra, ao Tim que foi para a capital, Londres, se tornar um advogado – e conhecer o amor de sua vida. Depois o Tim casado, o Tim pai, o Tim filho. Nesse tempo, ele tem que tomar decisões: o presente é o que importa, mas o quanto voltar no passado ainda é válido? Será que o segredo está mesmo em poder voltar ao passado para tornar tudo mais inesquecível, ou em viver a vida como se fosse única?


O filme, além de ter um roteiro incrível e sensível, tem os cenários mais bonitos que já vi. Do pequeno apartamento que Tim e Mary dividem até a casa dos pais dele, não tem um pedacinho que não te faça querer ser a melhor amiga deles para compartilhar um pouco daquilo tudo. Os personagens agem de maneira tão natural que parece que você mais está acompanhando a vida de uma família inglesa que assistindo à um filme.


E, falando em família, que família incrível que Tim tem. Sua irmã, Kit Kat, tem alguns problemas em sua vida: um namorado que não lhe dá valor, e uma tristeza sem fim que surge depois de anos depositados em um relacionamento que não tinha como dar certo. Tim a ama absurdamente, e tenta ajudá-la a transformar sua vida. Além disso, eles tem os pais mais incríveis. Tiveram uma base familiar sólida e amorosa, então o amor sempre foi presente para os dois.


Na verdade, a grande lição do filme, que a princípio parece ser só uma comédia romântica boba, é como as nossas escolhas realmente influenciam a nossa vida inteira. Quando o filme acaba, a mensagem é bem clara: não temos o poder de voltar no tempo e fazer tudo melhor, então temos que aproveitar o presente para transformar a nossa vida na melhor possível.

É um dos meus filmes favoritos. Tem romance, tem drama, tem histórias de vida, personagens incríveis e um roteiro bem estruturado.Podia ter sido uma grande bobagem, mas acabou se transformando em uma grande história de amor, e vale a pena ser visto. <3

E, por favor gente, tem a Rachel McAdams!